GB Bateiras Auto Elétrica e Mecânica. Em Timbaúba (81)3631-0979 e Carpina (81)3621-3762
Vem para ubafibra | Ubannet (81) 3631-5600

15/04/2020 às 20h48m - Atualizado em 16/04/2020 às 00h22m

Cunhado de prefeita de município paraibano é morto pelo irmão dela e em seguida se suicida

Crime aconteceu na cidade de Riachão do Poço e teria sido motivado por uma dívida, segundo delegado.

riachao_do_poco-homicidio

Um cunhado da prefeita de Riachão do Poço, na Mata paraibana, foi morto a tiros pelo irmão da gestora, também cunhado da vítima, na tarde desta quarta-feira (15). De acordo com a Polícia Civil, o crime aconteceu por causa de uma dívida que a vítima tinha com o suspeito, que se matou após o crime.

G1 tentou entrar em contato com a prefeita Cilinha Dias (Democratas), mas as ligações para a prefeitura não foram atendidas até as 18h.

Segundo o delegado Carlos Othon, o crime aconteceu no início da tarde. Nelson Dias, irmão da prefeita, conversava com familiares na casa da mãe dele, ao lado da casa da prefeita. “Nelson havia contraído uma dívida com uma irmã dele e com o marido dela e ele conversava com a irmã sobre essa dívida quando a vítima, identificada como Rafael Felizardo, chegou no local”, disse o delegado.

Assim que Rafael chegou na casa, houve uma discussão e o irmão da prefeita sacou uma arma e descarregou contra a vítima, que morreu ainda no local. O suspeito saiu da casa à pé e ligou para o filho, informando que tinha cometido o crime e que iria tirar a própria vida.

“Durante o percurso, o suspeito jogou fora os estojos das balas, recarregou e usou a mesma arma para atirar contra si”, disse o delegado.

Segundo a Polícia Civil, Nelson havia feito um empréstimo com a irmã e a vítima, e havia acordado de pagar o valor de R$ 500 a cada mês. Familiares contaram ao delegado que por causa da dívida ele não estava conseguindo pagar o valor e que os dois já discutiam por telefone e por mensagens em aplicativos.

“Apesar disso, a polícia não acredita que tenha sido um crime premeditado. Ainda é muito precoce para chegar a esta conclusão, mas tudo vai ser apurado”, completou Carlos Othon.

Do G1 PB

Comentários

Comentário pelo Facebok
Outros comentário

Outras notícias