GB Bateiras Auto Elétrica e Mecânica. Em Timbaúba (81)3631-0979 e Carpina (81)3621-3762
Vem para ubafibra | Ubannet (81) 3631-5600

10/07/2014 às 11h05m

Ibama apreende produtos feitos com partes de animais silvestres na Fenearte

Adereços foram recolhidos durante operação apoiada por agentes da Polícia Federal

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em Pernambuco recolheu centenas de produtos feitos com materiais de origem animal nos corredores e depósitos da Feira Nacional de Negócios do Artesanato (Fenearte), que acontece no Centro de Convenções, em Olinda. A operação Moda Triste, que aconteceu no início da tarde desta quarta-feira (9), contou com o apoio da Polícia Federal (PF) para coibir o comércio de artesanato e adereços com essa procedência.

Ainda está sendo feita uma triagem de todos os objetos tirados de circulação, mas já se sabe que cocares, colares, pulseira, brincos, canetas e prendedores de cabelo foram apreendidos. Todos os itens tinham partes de animais silvestres em sua composição, principalmente penas de aves como papagaios, araras, carcarás, garças e urubus. Os adereços eram comercializados por índios, que esboçaram protesto no momento das apreensões.

De acordo com o chefe de fiscalização do Ibama no Estado, Amaro Fernandes, a operação teve o intuito de cumprir o que diz a Lei Federal 9.605/98, que proíbe o comércio, mas não "o uso, por parte de indígenas, de produtos feitos com partes de animais silvestres nativos". "É uma questão de tradição deles e a legislação respeita. Isso não foi alvo da nossa operação”, ressaltou.

Fernandes acrescentou, ainda, que a quantidade apreendida foi "espantosa". “Ainda estamos catalogando tudo, mas, de forma prévia, posso dizer que foi o maior número de itens do tipo que já recolhemos em Pernambuco”, afirmou.

De acordo com o Ibama, as penalidades para esse crime incluem, além da apreensão dos produtos, detenção de seis meses a um ano e multa que varia de R$ 500 a R$ 5 mil, a depender das espécies de animais usadas na confecção dos adereços. A PF, por sua vez, ainda não informou de que forma as pessoas flagradas pela operação serão enquadradas nas definições da lei.

Com informações da Folha de Pernambuco

Comentários

Comentário pelo Facebok
Outros comentário

Outras notícias