GB Bateiras Auto Elétrica e Mecânica. Em Timbaúba (81)3631-0979 e Carpina (81)3621-3762
Vem para ubafibra | Ubannet (81) 3631-5600

29/12/2014 às 20h31m - Atualizado em 19/07/2017 às 16h54m

Construção perde quase 20 mil empregos em Pernambuco

Setor vai de herói a vilão e lidera demissões no Estado. Desemprego vai além de Suape

Maior desemprego é no Recife, com 8.349 cortes até novembro /

Herói do emprego nos últimos anos, em Pernambuco, o setor da construção surpreendeu pela disparada nas demissões em 2014 e se transformou em vilão das estatísticas do trabalho este ano. Já é tradição, o setor costuma encolher a folha de pessoal por causa do recesso de Natal e Ano Novo e retomar as contratações até fevereiro. Desta vez, contudo, as demissões vieram antes do esperado, por diversos fatores, e já pipocaram em novembro. Como os dados de dezembro ainda não saíram, o resultado do setor no ano pode ser ainda pior.

O setor, vale enfatizar, ainda é um dos maiores empregadores do Estado. Mas já teve um enxugamento, no acumulado de 2014, de 19.743 postos de trabalho. E ainda faltam os dados de dezembro, que serão divulgados apenas no mês que vem.

De acordo com o presidente da Federação das Indústrias de Pernambuco (Fiepe), Jorge Côrte Real, a construção enfrenta uma mistura de desaceleração do setor imobiliário, de conclusão dos grandes projetos e o aperto nas contas públicas – em municípios, Estado e governo federal. “Mas diferentemente de outros setores da própria indústria, a construção civil tem uma vantagem: recupera rapidamente o emprego”, avalia.

A transformação do grande herói da economia pernambucana em um vilão do balanço de empregos foi lenta, ao longo do ano. Mas ficou clara este mês, com a divulgação dos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), em que desde 2003 Pernambuco não tinha uma queda sequer em novembro. Desta vez, a economia estadual perdeu 6.154 postos de trabalho formais, mais de 80% disso apenas por causa da construção.

À primeira vista, seria fácil associar a grande queda do emprego na área ao previsível fim das grandes obras, como a Refinaria Abreu e Lima, de onde nos últimos meses saíram milhares de demitidos. Parte disso é verdade. Ipojuca, por exemplo, perdeu 6 mil empregos no setor ao longo do ano, 2.201 só em novembro. Mas como explicar que foi no Recife, até agora, a maior queda da construção, um enxugamento de 8.349 empregos? Foram 1.797 postos de trabalho perdidos só em novembro.


Com informações do Jornal do Commercio

Comentários

Comentário pelo Facebok
Outros comentário

Outras notícias