GB Bateiras Auto Elétrica e Mecânica. Em Timbaúba (81)3631-0979 e Carpina (81)3621-3762
Vem para ubafibra | Ubannet (81) 3631-5600

03/05/2021 às 13h40m - Atualizado em 03/05/2021 às 14h12m

Timbaúba: Após mortes de mulheres ao dar à luz, Conselho Regional de Medicina de Pernambuco fiscaliza maternidade Dr. Tito Ferraz

Em um intervalo de três dias, duas mulheres morreram, após dar à luz na maternidade que fica no Hospital Memorial Doutor João Ferreira Lima

hospital_ferreira_lima

A repercussão do caso de duas mulheres que morreram após dar à luz na Maternidade Doutor Tito Ferraz, que fica localizada no Hospital Memorial Doutor João Ferreira Lima, em Timbaúba, na Zona da Mata de Pernambuco, continua. As famílias das vítimas dizem que os partos foram realizados pelo mesmo médico, e que teria havido negligência médica. 

Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (CREMEPE) confirmou à equipe da TV Jornal que, na manhã desta segunda-feira (3), realizou uma fiscalização na unidade de saúde. A Polícia Civil de Pernambuco, junto com o Cremepe, investiga o caso.
 
Leia também:

O primeiro caso ocorreu na última quarta-feira (28). A vendedora Amanda Lorraine Gonçalves de Lima, de 23 anos, foi submetida a um parto cesáreo e veio a óbito, após o nascimento da sua segunda filha. A criança nasceu normalmente, porém, após o parto, Amanda teve complicações no quadro de saúde. 

O esposo de Amanda, Joanderson Gomes, se lembra da última conversa que teve com a mulher. Ele acredita que houve falha no procedimento cirúrgico. “Ela estava super feliz e ansiosa, mas, infelizmente, aconteceu isso. Quem estava acompanhando ela era a minha sogra, porque eu não podia ficar, mas, desde as 15h, ela estava sentindo dor e ninguém fazia nada. A primeira pessoa a saber fui eu. Foi chocante para mim. Eu fiquei arrasado. Ela disse que me amava e que estava muito feliz com o nascimento da filha da gente. Minha esposa ficou das 15h até a meia-noite sofrendo, e ninguém fez nada. A gente quer justiça para que não aconteça com mais famílias. Infelizmente, aconteceu com outra”, desabafou Joanderson, se referindo ao caso de Amanda Ramos de Melo. 

Segundo Joanderson, a esposa não tinha problemas de saúde, e havia realizado todos os exames do pré-natal. Apesar das complicações ocorridas no parto, que levaram Amanda Lorraine a óbito, a recém-nascida, chamada de Julia, passa bem. 

Na sexta-feira (30), morreu mais uma mulher após dar à luz na Maternidade Doutor Tito Ferraz, que fica no Hospital Memorial Doutor João Ferreira Lima. Amanda Ramos de Melo, de 34 anos, era moradora da cidade de Carpina, e após complicações pós-parto foi socorrida para Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Timbaúba. Devido a gravidade, ela precisou ser transferida para uma unidade médica de Nazaré da Mata, mas não resistiu e morreu por volta das 23h40.

Durante o procedimento, o médico responsável pelo parto de Amanda Melo faria uma laqueadura por meio de uma ligadura das trompas. No entanto, foi realizado um procedimento chamado histerectomia, que é quando o útero é retirado por completo.

"Ela estava com 40 semanas, teve uma gravidez comum, era saudável e fez o pré-natal. Os problemas já começaram com a histerectomia, que não foi combinada com ela. O médico foi o mesmo do outro caso em que a mulher morreu dois dias antes. Ela saiu da sala de cirurgia e foi para o quarto. Amamentou o filho e aí passou a ter hemorragia e paradas cardiorrespiratórias", disse a prima de Amanda Ramos, a bacharela em direito Karla Rayane Prazeres.

O bebê, chamado Gabriel, foi o segundo filho de Amanda Ramos. Ele passa bem e não teve nenhum problema após o nascimento. Apesar de morar em Carpina, também na Zona da Mata, a mulher decidiu fazer o parto no hospital de Timbaúba para fazer a laqueadura.

"A maternidade não tem Unidade de Terapia Intensiva e não tem condições de fazer um procedimento desse tipo. Ainda em Timbaúba, decidiram transferir ela para o Hospital das Clínicas, no Recife. Mas, logo que ela entrou na ambulância, piorou e precisou ser levada para a UPA de Timbaúba. De lá, foi transferida para o Hospital Ermírio Coutinho, em Nazaré da Mata. Lá ela morreu", disse a prima da mulher.

O corpo de Amanda Ramos foi levado para uma unidade de saúde de Carpina e, posteriormente, foi encaminhado ao Instituto de Medicina Legal, no Centro do Recife, onde passou por perícias. O enterro ocorreu na tarde deste sábado (1º), no Cemitério de Carpina.

Comentários

Comentário pelo Facebok
Outros comentário

Outras notícias