GB Bateiras Auto Elétrica e Mecânica. Em Timbaúba (81)3631-0979 e Carpina (81)3621-3762
Vem para ubafibra | Ubannet (81) 3631-5600

25/07/2017 às 23h44m - Atualizado em 26/07/2017 às 11h10m

Bahia: Ministério Público investiga nepotismo em prefeituras; várias situações são levadas a Justiça

Órgão recomenda que gestores exonerem parentes de cargos de confiança. É o caso de Itabuna onde o prefeito nomeou a esposa Secretária de Assistência Social e o sobrinho para a Administração.

nepotismo_1

O Ministério Público do Estado (MPE) investiga e já notifica 31 prefeitos baianos por nepotismo. A partir da identificação da prática, o órgão recomenda que o gestor exonere seus parentes de secretarias e demais cargos de confiança (ou comissionados), e quando o pedido não é atendido, a situação vai parara na Justiça.

É o caso, por exemplo, da prefeitura de Morro do Chapéu, na Chapada Diamantina. Lá, o prefeito Leo Dourado emprega cinco familiares, incluindo sua mãe e uma prima. Ele informa que já cumpriu a determinação após notificação judicial. O prefeito alega que as outras três pessoas não são seus parentes, mas têm parentesco com secretários.

O Ministério Público teve que ir à Justiça também contra o prefeito de Itabuna, Fernando Gomes (DEM). Empossado em 1º de janeiro último, o democrata nomeou sua esposa (Sandra Neilma) como titular da Secretaria de Assistência Social e seu sobrinho Dinailson Oliveira para a pasta da Administração. O prefeito ainda não exonerou os familiares, embora já tenha sido notificado pela Justiça.

Ele exonerou já exonerou seu filho Sérgio Gomes, que comandava a Secretaria de Transportes. O caso ganhou notoriedade por causa de denúncia da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Embora o Supremo Tribunal Federal (STF) reconheça como crime 'o ato de favorecer os parentes na administração pública', o prefeito Fernando Gomes mantém a esposa e o sobrinho como secretários alegando que eles têm "qualificação técnica". Mas essa qualificação não foi comprovada, segundo o Ministério Público, e o promotor Inocêncio Carvalho foi ao Tribunal de Justiça da Bahia pedir a exoneração dos dois familiares do democrata.

Ainda não há definição sobre o caso na corte. Na ação, o Ministério Público pede ainda que os secretários devolvam o valor correspondente aos salários e todos outros possíveis vencimentos (auxílios) recebidos por eles desde o início da gestão de Fernando Gomes.

Quem enfrenta processo judicial por nepotismo também é o prefeito de iritinga, Antônio Celso Avelino (PDT). Ele nomeou para cargos de primeiro escalão duas filhas e um genro. Apenas 10 dos 31 municípios com casos de nepotismo investigados pelo Ministério Público já têm situação resolvida.

Nas outras 21 cidades seus respectivos prefeitos mantêm seus familiares nomeados e recebendo salários e benefícios. O Ministério Público diz que as investigações estão em curso, e que mais ações serão movidas no Tribunal de Justiça se os gestores não exonerarem os parentes que comandam secretarias.

Com informações do Bahia 247

Comentários

Comentário pelo Facebok
Outros comentário

Outras notícias