GB Bateiras Auto Elétrica e Mecânica. Em Timbaúba (81)3631-0979 e Carpina (81)3621-3762
Vem para ubafibra | Ubannet (81) 3631-5600

25/07/2019 às 03h04m

Pernambuco: Quatro cidades decretam situação de emergência por causa das chuvas e serviços são afetados

Decretos foram emitidos pelas prefeituras de Olinda, Abreu e Lima e Igarassu, no Grande Recife, e de Vicência, na Zona da Mata. Onze pessoas morreram na Região Metropolitana.

deslizamento_de_barreiras

Cidades do Grande Recife e da Zona da Mata de Pernambuco decretaram situação de emergência por causa das chuvas desta quarta-feira (24), que deixaram ao menos 11 pessoas mortas na capital, Olinda e em Abreu e Lima.

Foram emitidos decretos em Olinda, Abreu e Lima, Igarassu, na Região Metropolitana, e Vicência, na Zona da Mata Norte. Em várias cidades, serviços foram suspensos pelo temporal.

A Secretaria de Educação e Esportes de Pernambuco informou que das 351 escolas da Rede Estadual, na Região Metropolitana do Recife, 155 não iniciaram as aulas na manhã desta quarta-feira (24).

As atividades escolares foram suspensas em Abreu e Lima, Araçoiaba, Igarassu, Itamaracá, Itapissuma, Olinda e Paulista. As unidades de ensino das outras cidades foram orientadas a avaliar a situação para definir se haveria aulas.

Veja a situação de cada cidade:

Vicência

barreira_deslizou_sobre_duas_residenciaO prefeito Guilherme Nunes (PSDB) , da cidade de Vicência, na Zona da Mata do estado, decretou estado de emergência por causa da grande quantidade de água e lama que causaram transtornos em todo o município.

Além disso, a barragem da adutora do Siriji está sangrando desde a terça-feira (23) e chegando à barragem da Usina Laranjeiras.

Famílias que residem na Comunidade Cristã e em Vicência 3 estão sendo deslocadas das áreas ribeirinhas para locais seguros. De acordo com a administração, pelo menos 10 casas foram atingidas pela água. No local, uma barreira caiu e destruiu parcialmente duas casas. Ninguém ficou ferido.

Igarassu

O prefeito de Igarassu, Mario Ricardo (PTB), decretou estado de emergência e criou uma força-tarefa com o apoio de todas as secretarias municipais. Algumas escolas municipais abrigaram as pessoas que moram em áreas de risco. As aulas foram suspensas para manter a segurança dos alunos e professores.

A prefeitura informou, ainda, que as unidades ambulatoriais e eletivas (PSF, policlínicas, Centro de Saúde da Mulher, Centro de Saúde do Homem, Clínica da Visão, CTA, Lame, CAF e Vigilâncias) estão com os atendimentos suspensos para resguardar a segurança dos clientes e servidores. Os serviços de urgência e emergência (SAMU e unidade hospitalar) seguem funcionando.

Na cidade, houve ao menos seis desabamentos de casas em locais de risco, mas ninguém ficou ferido. Há 100 pessoas abrigadas em escolas municipais, de 27 famílias.

Abreu e Lima

Em Abreu e Lima, o prefeito Marcos José (PSB) decretou Estado de Emergência no município e determinou o adiamento do retorno às aulas nas 32 escolas municipais da cidade.

A prefeitura informou que realiza uma operação para ajudar os desabrigados por causa da chuva. Uma quadra esportiva foi disponibilizada para atender essas pessoas. Colchonetes e cestas básicas devem ser distribuídos.

Cerca de 6 mil alunos foram afetados. Na cidade, postos de saúde não abriram, porque servidores que moram em outras cidades tiveram dificuldades para chegar ao trabalho. As equipes da Defesa Civil estão monitorando os locais, colocando lonas nas áreas de risco.

Olinda

Em Olinda, ao menos quatro pessoas morreram. Nesta quarta-feira (24), o prefeito do município, Professor Lupércio (SD), decretou situação de emergência.

No documento, ele autoriza a entrada em casas para prestar socorro ou para determinar a pronta evacuação de pessoas em áreas de risco.

O prefeito determina, ainda, que voluntários sejam convocados pela Defesa Civil para reforçar as ações de emergência. Um gabinete de crise foi criado para acompanhar a situação, envolvendo secretarias como Infraestrutura, Controle Urbano, Guarda Municipal, Transporte e Trânsito, Desenvolvimento Social, além da Defesa Civil.

Segundo a administração municipal, 110 pessoas ficaram desabrigadas. Setenta delas foram alojadas na Escola Municipal Pró-Menor e outras 40 seguiram para o Estádio Grito da República, no bairro de Rio Doce.

Do G1 PE

Comentários

Comentário pelo Facebok
Outros comentário

Outras notícias