GB Bateiras Auto Elétrica e Mecânica. Em Timbaúba (81)3631-0979 e Carpina (81)3621-3762
Vem para ubafibra | Ubannet (81) 3631-5600

08/09/2018 às 10h32m - Atualizado em 08/09/2018 às 21h04m

Defesa vai pedir exame de sanidade mental de agressor de Bolsonaro

Advogado de agressor de Bolsonaro já defendeu Bola, no caso Bruno

jair_bolsonaro_1

Agência Brasil

Os advogados que representam o agressor Adélio Bispo de Oliveira informaram nesta sexta-feira (7) que vão solicitar exames de sanidade mental de seu cliente. Quatro advogados acompanharam Adélio a uma audiência de instrução com a juíza Patrícia Alencar, na Justiça Federal, na tarde de hoje, que determinou a transferência do criminoso para um presídio federal.

A defesa sustentou ainda que a agressão de seu cliente ao candidato Jair Bolsonaro foi um ato solitário, movido pelo que classificaram de “discurso de ódio” do próprio candidato. “Esse discurso de ódio do candidato é que desencadeou essa atitude extremada do nosso cliente”, disse o advogado Zanone Manoel de Oliveira Júnior. Um dos motivos, segundo a defesa, foi a referência pejorativa aos negros quilombolas, já que seu cliente se identifica como negro.

O advogado informou que a defesa concordou com a transferência de Adélio para um presídio federal, para garantir sua integridade. O advogado também disse concordar com o indiciamento de seu cliente pelo Artigo 20 da Lei de Segurança Nacional, que fala em “praticar atentado pessoal ou atos de terrorismo, por inconformismo político”.

Outro caso polêmico
O advogado Zanone Manoel de Oliveira Júnior, que defende Adélio Bispo Pereira, agressor confesso do candidato Bolsonaro, já defendeu outro cliente que ficou conhecido, em um caso polêmico. Ele era o advogado do ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, condenado a 27 anos de prisão pelo assassinato, em 2010, da modelo Eliza Samudio, ex-namorada do goleiro Bruno. O atleta, que à época jogava no Flamengo, também foi condenado a 22 anos de prisão, por homicídio e ocultação de cadáver.

Os quatro advogados que assistiram Adélio falaram com a imprensa à saída da audiência de instrução, na Justiça Federal, e também na chegada à Polícia Federal de Juiz de Fora, onde o agressor foi prestar novo depoimento, antes de ser transferido para um presídio federal de segurança máxima.

Um dos advogados disse que o dinheiro para pagar pela defesa está sendo bancado por uma igreja evangélica de Montes Claros, onde Adélio morava e tinha família, mas não quis revelar o nome da instituição.

Perguntado sobre como os advogados fariam para dar assistência a Adélio, já que os presídios federais ficam em outros estados, Zanone disse que não seria um problema, pois possui um avião para esse tipo de deslocamento.

Ataque
Ao ser carregado por apoiadores durante um ato de campanha em Juiz de Fora (MG), Bolsonaro levou uma facada no abdôme. Ele foi levado para a Santa Casa de Juiz de Fora, onde foi submetido a uma cirurgia. Na manhã da sexta-feira (7), o presidenciável foi transferido para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Comentários

Comentário pelo Facebok
Outros comentário

Outras notícias