GB Bateiras Auto Elétrica e Mecânica. Em Timbaúba (81)3631-0979 e Carpina (81)3621-3762
Vem para ubafibra | Ubannet (81) 3631-5600

30/09/2014 às 03h53m - Atualizado em 30/09/2014 às 16h56m

Ala petista abandona Armando Monteiro e apoia Paulo Câmara

A tendência PT de Lutas e Massas (PTLM), não mais apoiará Armando Monteiro, nem o candidato ao Senado João Paulo, a ordem agora é seguir junto com Paulo Câmara.

O PT estadual abriu neste domingo uma nova dissidência no Estado a poucos dias do processo eleitoral. Após alguns quadros políticos da legenda declararem apoio ao PSB ao longo do período de campanha, a tendência PT de Lutas e Massas (PTLM) desembarcou da coligação Pernambuco Vai Mais Longe e não mais apoiará o candidato ao governo Armando Monteiro Neto (PTB) nem o candidato ao Senado João Paulo (PT). A ordem agora nas coxias da corrente é seguir junto com o candidato Paulo Câmara (PSB), mesmo que o socialista não aceite a nova adesão.

Curiosamente, a decisão, que volta a abrir uma crise interna no PT após o Processo de Eleição Direta (PED) 2013, ocorre já no final do período de campanha e quando as últimas pesquisas de intenção de voto já começam a apontar o candidato socialista na dianteira frente a Armando Neto. No entanto, questionado se a mudança de campo político faltando uma semana para as eleições seria fruto das amostragens, o presidente da corrente, Gilson Guimarães, negou.

Segundo ele, que também é membro da executiva estadual do PT, o rompimento do apoio ao correligionário João Paulo e ao ex-aliado Armando Neto se deu em virtude de vários problemas. “Nós desde o começo defendíamos uma candidatura própria. Ficou comprovado também durante a campanha que os parlamentares mais próximos a Armando não faziam campanha para Dilma. Ele e João Paulo estavam escondendo a companheira Dilma. E o fato mais absurdo. Criamos um comitê independente de Dilma no estado para manter a relação com partidos (PCdoB e PP) que não estão apoiando João Paulo e Armando, mas apoiam Dilma e nos últimos 15 dias eles (Armando e João Paulo) começaram à força uma agenda conjunta no comitê causando constrangimento”, elencou o petista, justificando que há um tempo já vinha estudando a possibilidade de sair da coligação, mas esperava que os candidatos corrigissem os erros.

Com a decisão, Guimarães levou com ele 80 dirigentes, cinco presidentes municipais, três dirigentes estaduais e dois membros da executiva estadual do partido. Ele afirma ainda que mais tendências da sigla tomaram o mesmo caminho, embora não declarem abertamente. “Várias tendências internamente não apoiam o Armando e João Paulo e não estão fazendo campanha para eles”, informou Gilson criticando ainda a postura do seu correligionário João Paulo. Para ele, João precisa fazer “uma reciclagem para poder voltar a ser uma liderança partidária”. Isso porque, na observação de Guimarães o candidato ao senado tem promovido nos últimos anos muitas fissuras no PT de Pernambuco.


Da Folha de Pernambuco

Comentários

Comentário pelo Facebok
Outros comentário

Outras notícias