GB Bateiras Auto Elétrica e Mecânica. Em Timbaúba (81)3631-0979 e Carpina (81)3621-3762
Vem para ubafibra | Ubannet (81) 3631-5600

22/09/2014 às 05h46m

Parada da Diversidade leva aproximadamente 600 mil pessoas para Boa Viagem

Evento teve como tema deste ano “Onde houver ódio que eu leve o amor”

Muito mais do que uma festa, um clamor por uma sociedade melhor e mais justa. A 13ª edição da Parada da Diversidade do Recife levou neste domingo para Boa Viagem, na Zona Sul da Capital, diferentes cores, rostos e, sobretudo, propósitos na luta pelo fim da intolerância ao público LGBT. A organização do evento estimou um público aproximado de 600 mil pessoas - mesmo número do ano passado - que acompanhou o desfile desde o Parque Dona Lindu, onde ocorreu a concentração, até as proximidades do Posto 7 da avenida Boa Viagem.

No percurso, o que se via era a alegria e irreverência. Reunidos sob o tema “Onde houver ódio que eu leve o amor”, transformaram o asfalto em um grande palanque, aliando a alegria e irreverência com um inesgotável desejo de mudanças. Foram, ao todo, 12 trios elétricos que animaram os participantes do evento. Como o próprio nome sugere, o repertório musical também foi variado: da música eletrônica ao brega, do axé ao frevo de bloco.

O artista plástico Ítalo Daher, de 44 anos, fez questão de ressaltar sua indignação. “Lamentavelmente, a grande maioria dos homossexuais tem vivido à margem, reclusos dentro da própria casa e sem a aceitação de quem deveria ser os primeiros a abraçá-los. Hoje estamos aqui de caras pintadas e cheio de paramentos, mas o que almejamos é uma convivência respeitosa sem nada disso. É algo que deve estar presente em todos os dias do ano”, pontuou.

Em volta, pessoas de todas as idades nas sacadas e calçadas dos prédios, dando apoio ou simplesmente admirando o desfile. A advogada Adriana Rio, que mora em um edifício na avenida, prestava sua solidariedade. "Eu sempre acompanho e acho lindo. É uma demonstração da cultura da comunidade LGBT", opinou. Ela estava acompanhada de seus filhos que, ainda pequenos, são educados para o respeito. "Assim, eles já crescerão sabendo conviver com as diferenças", completou, dando o bom exemplo.


Com informações da Folha de Pernambuco

Comentários

Comentário pelo Facebok
Outros comentário

Outras notícias