GB Bateiras Auto Elétrica e Mecânica. Em Timbaúba (81)3631-0979 e Carpina (81)3621-3762
Vem para ubafibra | Ubannet (81) 3631-5600

25/12/2014 às 22h51m

Preso gari acusado de matar enteados de seis e sete anos com 25 facadas cada

Crime aconteceu na comunidade Vila Tamandaré, em Areias

Robson Fernandes dos Santos, assassino confesso dos seus enteados, Maria Eduarda, de sete anos e Marco Antônio, de seis, na última segunda-feira (22), na Vila Tamandaré, no bairro de Areias, Zona Oeste do Recife, foi preso por volta das 12h30 desta quarta-feira (24) na Rua da Aurora, em Santo Amaro, região central do Recife. O suspeito será autuado por homicídio duplamente qualificado (impossibilidade de defesa das vítimas e motivo fútil) e foi encaminhado ao Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, ao final da tarde, após ser ouvido no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no bairro do Cordeiro.

O crime

O delegado do Departamento de Homivídios e Proteção à Pessoa, Ivaldo Pereira, detalhou informações sobre o crime

Em entrevista coletiva concedida no auditório do Departamento após ouvir o acusado, que confessou os homicídios, o delegado Ivaldo forneceu detalhes sobre o crime. Segundo ele, Robson teria discutido com Edilaine, a mãe das crianças, no dia anterior ao crime porque ela teria chegado tarde em casa. No dia seguinte, o casal teria discutido novamente, desta vez, porque Robson não teria deixado comida para as crianças no café da manhã.

Edilaine, que costumeiramente saía de casa para trabalhar como auxiliar de serviços gerais às 5h30 da manhã, 30 minutos antes do companheiro, teria deixado R$20,00 com Robson para que ele e o filho mais novo cortassem o cabelo. Após ela sair de casa, ainda brigados, o gari vestiu sua farda, foi até o quarto das crianças e, com uma faca tipo peixeira, desferiu "incontáveis golpes em Maria Eduarda. Segundo Robson, mesmo com a garota caída no chão, já morta, ele só parou de esfaqueá-la quando percebeu que Marco Antônio havia se levantado, ainda desnorteado. Ele partiu para cima do garoto e também o golpeou diversas vezes, sem saber dizer quantas facadas teria desferido na criança.

Fuga e prisão

O gari Robson Fernandes dos Santos foi encontrado na Rua da Aurora na tarde desta quarta

Após assassinar os enteados a sangue-frio, Robson, segundo informações colhidas no DHPP, Robson deixou as duas cédulas de R$10 que Edilaine o deu sobre os corpos das crianças, segundo o delegado Ivaldo, "para mostrar a companheira que ela não o dava o valor que ele merecia". Em seguida, ele ainda teria ido ao trabalho e batido o ponto de chegada, mas ido embora em seguida. De acordo com Ivaldo Pereira, ele teria seguido em direção ao centro do Recife e perambulado pelas ruas da Boa Vista e Santo Amaro portando um facão. Aparentando confusão mental, Robson teria dito ao delegado que estava armado para se proteger de pessoas que o estariam "perseguindo". Ele também teria dito que pretendia "se entregar à imprensa", chegando mesmo a dormir em frente a sede de uma empresa de comunicação no bairro de Santo Amaro, mas não foi notado.

Após diversas denúncias anônimas, a polícia civil deu início a uma série de vigílias para capturá-lo. A campana deu certo e Robson acabou sendo preso na Rua da Aurora, em frente à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag), no bairro de santo Amaro, por uma equipe formada pelo delegado Ivaldo Pereira e outros quatro agentes do DHPP às 12h30 desta quarta-feira (24).

Levado em flagrante ao DHPP, ele teria retirado uma substância não-identificada de um dos bolsos e colocado na boca, dizendo ser veneno. Pouco depois, o gari disse que estava passando mal e foi levado até o Hospital Getúlio Vargas, onde foi medicado e liberado, sem indícios de envenenamento. De volta à sede do DHPP, no bairro do Cordeiro, o gari foi ouvido e, em seguida, levado para o Cotel, onde já se encontra à disposição da Justiça.

Comoção e revolta

Familiares e vizinhos também estiveram na sede do Departamento para prestar depoimentos à polícia. Enquanto eram ouvidos, Robson chegou ao local, despertando a fúria dos presentes. Uma vizinha da família, a catadora de recicláveis Natiene Felícia contou que no dia do crime Robson saiu de casa normalmente no dia do crime. "Ele saiu apressado, frio, como se nada tivesse acontecido. Ele era muito carinhoso com as crianças. Todo mundo ficou chocado com o que aconteceu e ninguém imaginava que ele pudesse fazer uma coisa dessas", disse a vizinha.

A mãe, Edilaine Maria Ferreira da Silva, estava revoltada e, entre uma série de desabafos, disse que espera que o ex-companheiro pague pelo que fez. “Ele saiba que eu estou firme e forte, que eu vou cuidar da minha vida pelos meus filhos, porque meus filhos gostariam que eu ficasse firme e forte. E ele vai pagar por tudo o que ele fez”, afirmou.


As informações são do portal Folha PE

Comentários

Comentário pelo Facebok
Outros comentário

Outras notícias