GB Bateiras Auto Elétrica e Mecânica. Em Timbaúba (81)3631-0979 e Carpina (81)3621-3762
Vem para ubafibra | Ubannet (81) 3631-5600

11/10/2019 às 20h48m - Atualizado em 11/10/2019 às 21h57m

Empresário é preso por furto de energia e desacato em Boa Viagem

Polícia chegou ao suspeito depois de queixas sobre festas que entravam pela madrugada, perturbando o sossego dos vizinhos

boa_viagemFoto: Divulgação

Um empresário do ramo de telemarketing foi preso em um apartamento de luxo na Avenida Boa Viagem, na Zona Sul do Recife. Bruno Aladim Chaves, de 30 anos, foi autuado em flagrante por furto de energia e desacato. Na residência, os policiais também encontraram cocaína, ecstasy, haxixe, maconha, balança de precisão, capa de colete balístico e um coldre, munições de calibre 44 e 38 e uma impressora utilizada para emissão de cartões de crédito e crachás.

A polícia chegou até o empresário depois de receber queixas de vizinhos sobre festas frequentes promovidas no apartamento de Bruno que costumeiramente entravam pela madrugada, perturbando o sossego dos demais moradores do prédio.

Eles também mencionaram o fato de que a Celpe havia cortado o fornecimento de eletricidade por falta de pagamento, mas mesmo assim havia energia elétrica no local. De acordo com a Polícia Civil, que se manifestou sobre o caso por meio de nota, o apartamento era usado tanto para tráfico quanto para consumo de entorpecentes.

Quando a polícia chegou ao local, o empresário estava em companhia de cinco amigos. Todos foram encaminhados à Delegacia de Boa Viagem, onde foram ouvidos por quase 12 horas. Como a quantidade de drogas achadas no apartamento não configurava tráfico, foram instaurados inquéritos por portaria em nome das demais pessoas que estavam no local.

Bruno foi conduzido à delegacia, onde foi autuado em flagrante, e será submetido a audiência de custódia.  O empresário era dono de um call center que fechou no início do ano passado por problemas financeiros. Em nota, a defesa de Bruno declarou que ele não cometeu nenhum crime e que acredita que o empresário será libertado após a audiência de custódia. “Cumprimo-nos o direito e o dever de comunicar à sociedade que o referido empresário não trabalha em desobediência às leis e que nada faz além de dedicar sua vida ao trabalho árduo, honesto e gerador de empregos para toda a comunidade”, diz o texto.

 

Comentários

Comentário pelo Facebok
Outros comentário

Outras notícias